Relatório Mensal | Janeiro de 2022

O fenômeno apelidado de barômetro de janeiro foi observado por Yale Hirsch em 1972. A relação mostra que existe uma correlação positiva entre o resultado de janeiro do S&P 500 e o resultado do final do ano, ou seja, se janeiro vai mal o ano fecha mal. Desde 1950 a relação só não foi verdadeira 11 vezes, o que significa que em 84,5% das observações o ano fechou na mesma direção que o janeiro fechou para o S&P500.

Essa curiosidade estatística chama a atenção em 2022, pois o S&P500 fechou o primeiro mês do ano em queda de 5,26%. Janeiro foi bastante difícil para o principal índice americano, que chegou a negociar em 11,5% de queda ao longo do mês.


Como comentamos em nossa última carta, a expectativa de alta de juros e diminuição do balanço do banco central americano tornou o cenário para os ativos de risco nos EUA mais desafiador e desde o último trimestre de 2021 o mercado vem se ajustando ao cenário de inflação mais persistente. Hoje a curva de juros já precifica altas na taxa americana para todas as reuniões do ano.


Veja a íntegra da Relatório Mensal de Janeiro de 2021.